Encontrei um animal atropelado. O que fazer?

Milhões de animais vivem hoje abandonados nas ruas, sujeitos a todos os tipos de infortúnios, incluindo atropelamentos. Para qualquer ONG, é impossível resolver este problema e salvar a todos, infelizmente. Cada abrigo de animais que existe hoje no Brasil possui um limite físico de animais que precisa ser respeitado. Caso o limite físico de um abrigo seja ultrapassado, são colocados em risco todos os animais que já são ali mantidos, tanto pela superlotação quanto pelas limitações financeiras. Por isso, e contando com a sensibilidade de todos, é necessário que cada cidadão ajude e trabalhe em prol dos animais. Somente assim é que o problema será resolvido.

O primeiro passo ao encontrar um animal atropelado é retirá-lo do local de risco, como por exemplo o meio da rua. Devido à dor, o animal pode eventualmente se tornar agressivo, não por maldade, mas sim porque ele sente dor e está morrendo de medo. Aproxime-se do animal com cautela, mostrando-lhe que está ali para ajudá-lo, e, somente quando ganhar sua confiança, tente removê-lo. Em seguida, encaminhe o animal a uma clínica veterinária. A cidade de São Paulo, por exemplo, possui hospital veterinário público. Durante o tratamento, comece a procurar por um adotante para o animal, caso não possa ficar com ele. Convide amigos para ajudarem a repartir as despesas do tratamento e da hospedagem e para encontrarem um adotante. No final, vocês terão salvado uma vida!

Encontrei um animal morto. O que fazer?

As prefeituras têm obrigação de recolher os corpos de animais mortos, por questões de saúde pública. Basta entrar em contato com a prefeitura ou com a subprefeitura do local em que você encontrou o animal, informando o endereço e solicitando a remoção do corpo.

Não tenho dinheiro para ajudar. Existe outra forma de cooperar com o Instituto 100% Animais?

Sim, você tem diversas maneiras de atuar na causa animal e cooperar com o Instituto100% Animais na construção de uma sociedade mais digna e justa para os animais. Você pode compartilhar informações sobre os animais e angariar mais pessoas para a causa animal. Identificarmos que podemos fazer alguma coisa na causa animal é o primeiro passo para o pertencimento socioanimal, onde somos responsáveis pelos animais que estão inseridos na nossa sociedade. Efetivamente você pode:

  • atuar como voluntário em feiras de adoção, infelizmente ainda precisamos pagar para as pessoas trabalharem nas feiras, onerando as despesas do Instituto 100% Animais. Se você quiser pode ajudar sendo um voluntário em todas as nossos Eventos de Adoção;
  • se você é um profissional liberal e pretende fazer a diferença na sociedade conheça o projeto 100% Empreendedorismo e venha fazer parte desta transformação social;
  • prospectar locais adequados para eventos de adoção. Caso você conheça alguém que tem um comércio, uma loja, um shopping ou um estacionamento comercial, fale sobre a possibilidade destes estabelecimentos abrigarem um Evento de Adoções em um sábado ou domingo. Isso realmente fará a diferença para as organizações do terceiro setor que trabalham com animais, pois quanto maior for as adoções dos animais maior será o sucesso do projeto. Porque todo animal merece ter um lar, ao invés de ficar a vida toda em um abrigo.
  • divulgar o Instituto 100% Animais entre seus amigos, parentes e colegas de trabalho. A multiplicação do conhecimento sobre os animais leva a conscientização social.

O que o Instituto 100% Animais faz com as contribuições?

As contribuições recebidas são utilizadas em muitas ações e projetos apoiados pelo Instituto 100% Animais. Por exemplo, no Projeto 100% Empreendedorismo que desenvolvemos nas organizações que ajudamos a profissionalizar direcionamos o valor das contribuições no pagamento de veterinários que visitam as instituições semanalmente para cuidar dos animais, pagamos a ração dos animais, compramos medicamentos utilizados pelos veterinários, medicamentos para castrações, pagamento de exames laboratoriais, transporte de animais para os eventos de adoção, compra de material de limpeza, de material de construções, pagamento de mão de obra na construção da infra estrutura necessária, pagamento de material promocional para eventos de conscientização e eventos de adoção, salários de funcionários que atuam na administração do Instituto, compra de camisetas e uniformes para os funcionários e colaboradores das organizações, compra de jornal, e outras diversas melhorias que implementamos nas organizações previamente definidas no planejamento estratégico elaborado no projeto 100% Empreendedorismo.

O Instituto 100% Animais faz débito em conta para os Planos de Associados?

O Instituto 100% Animais, não possui o sistema de débito automático em conta. Mas você poderá programar o seu débito automático através do Pag Seguro.

Existe apoio de empresas privadas aos movimentos do Instituto 100% Animais?

Sim, a mobilização do Instituto 100% Animais se dá no envolvimento de empresas que queiram desenvolver, apoiar e adotar organizações que atuem na causa animal. O Brasil não é um país onde as empresas tem a cultura de doar. Em países como os EUA e a Inglaterra desde a década de 1950, as empresas são obrigadas a apresentar um balanço social junto com seu balanço financeiro, elaborando projetos relevantes de inserção social em diversas áreas. No Brasil, os empresários começaram a identificar a Responsabilidade Social Empresarial, RSE ou Responsabilidade Corporativa, como um diferencial em suas administrações. A imagem da empresa se torna mais atrativa para seus stakeholders, e se perpetua com ações positivas para a sociedade que voltarão para o próprio crescimento da empresa. Pensando neste setor solidário empresarial que ainda tem tanto para crescer no Brasil, criamos o projeto Selo Solidário. Neste projeto a empresa interessada, colabora mensalmente com o desenvolvimento do Instituto 100% Animais e todas as organizações que apoiamos. Também recebe diversos Eventos Especiais  como palestras, treinamentos e o Dia do Cão. Assim seus funcionários e colaboradores tem a oportunidade de tornarem-se 100% Animal. Com a inserção em grandes empresas temos a possibilidade de aumentar o engajamento social e melhorar a vida dos animais, através do aumento das adoções, das doações e do voluntariado. Além disso, uma população consciente, sabedora da real situação de vida dos animais pode ser um agente transformador na causa animal.

Preciso de autorização do Instituto 100% Animais para divulgar o material que está no site?

Não, não há a necessidade de você pedir a autorização do Instituto 100% Animais para que você divulgue o material que está no site. O material que está no site do Instituto é público e para ser divulgado! O Instituto apenas pede para que você cite a fonte do material no local em que você for divulgá-lo.

Posso copiar o material do site do Instituto 100% Animais, como textos e fotos?

Sim, você pode copiar os textos, fotos, cartazes, banners, e todas as informações do site do Instituto 100% Animais, lembrando sempre de citar ou manter a fonte no local em que você for divulgá-los.

Posso divulgar o site do Instituto 100% Animais para meus contatos?

Você pode, sim, divulgar o site do Instituto 100% Animais para seus contatos, e o agradecemos muito por isso! Ao divulgar o site, você estará ajudando a conscientizar mais pessoas a respeito do bem estar aos animais e a salvar mais vidas!

O Instituto 100% Animais contrata estagiários?

De acordo com a nossa necessidade contratamos estagiários para trabalhar como voluntários em projetos voltados no setor veterinário e administrativo.

O Instituto 100% Animais ministra palestras?

O Instituto 100% Animais conta com uma equipe de pessoas que estão preparadas para ministrarem palestras, conscientizando a população a respeito de diversos assuntos que envolvam os animais e as situações de apoio e transformação necessárias para construir um mundo mais digno para eles. Possuímos palestras com diferentes objetivos direcionadas para diversos públicos-alvo. Saiba mais no projeto chamado 100% Escolas  ou projeto de Eventos Especiais.

O Instituto 100% Animais possui profissionais que entendam de comportamento animal?

O Instituto 100% Animais não oferece atendimento técnico dessa natureza, mas pode articular a conexão entre pessoas que podem lhe orientar. O comportamento de cada animal é complexo e exige a consulta de um profissional da área. O Instituto não aconselha e não presta análise, dicas ou diagnóstico à distância. 

Tenho um abrigo de animais e/ou conheço uma pessoa que tem dezenas de animais. O Instituto 100% Animais pode contribuir financeiramente ou com doações em espécie?

Você deverá cadastrar seu abrigo ou o abrigo da outra pessoa que você conhece para que o Instituto 100% Animais avalie as necessidades do abrigo em questão e estude a melhor forma de ajudá-lo.

Encontrei um animal silvestre. O que faço?

A situação dos animais silvestres é periclitante. Com a tomada de seu habitat pelo crescente desmatamento de florestas e a devastação de áreas que abrigavam diversas espécies de animais, estes acabam atordoados sem ter para onde ir, andando solitários até que alguém faça uma maldade ou até que sejam atropelados. A resolução do que fazer com a vida de um animal que você encontrou e que perdeu a conexão com ecossistema no qual estava inserido é o diferencial na continuidade ou não da vida deste animal. O indicado é levar até a Polícia Ambiental, Guarda Ambiental ou nos Depave (Departamento de Parques e Áreas Verdes), mas infelizmente, com raras exceções, estes departamentos não possuem condições adequadas para manter a vida destes animais até que o Ibama decida seu destino. Sem espaço, nem alimentos, suficientes a entrega do animal nestes locais é a sentença de morte para a vida silvestre. Tente visitar alguns destes locais e você entenderá com fatos o que tentamos explicar com palavras.  Procure se informar sobre a espécie que você encontrou e quais organizações do terceiro setor recebem este tipo de animal. No nosso site você pode encontrar muitas organizações destas com diversas finalidades. Vá conhecer estes locais e você irá se apaixonar.

Encontrei um animal. Posso levar ao Instituto 100% Animais?

Você não pode trazer o animal para o Instituto 100% Animais, uma vez que o Instituto não recebe animais e não espaço em nenhuma organização para abriga-lo. Neste caso, o mais correto é você hospedar o animal em sua casa, ou na casa de um amigo ou em um hotel temporariamente, até encontrar um novo lar para ele.

O Instituto 100% Animais resgata animais?

O Instituto 100% Animais não resgata animais. O serviço de resgate animal deve ser realizado pelo Polícia Ambiental no caso de animais silvestres, pelos CCZ das prefeituras ou pelo IBAMA, caso de animais que não pertencem a fauna brasileira. A responsabilidade sobre o estado em que se encontram os animais em nossa sociedade é de todos os indivíduos racionais. Por isso, faça parte de alguma organização na causa animal, seja voluntário, participe e lute por uma sociedade mais justa para com os animais.

O Instituto 100% Animais pode indicar abrigos para que eu encaminhe algum animal?

O Instituto 100% Animais não indica abrigos para que você encaminhe um animal. Os abrigos existentes estão funcionando acima de sua capacidade limite e com um grande desequilíbrio financeiro. As despesas são muito altas. Quando uma pessoa abandona um cão não calcula qual é o valor total deste animal. Um cão custa para um abrigo mais de R$ 17,000.00 em sua vida. As pessoas abandonam um animal sem pensar que alguém precisará pagar as despesas deste animal, como alimentação, medicamentos e cuidados veterinários. Precisamos incentivar as doações financeiras e aumentar o número de adoções de animais para diminuir o deficit destes locais. Quando conseguirmos a autossuficiência destas organizações com o apoio social, poderemos indicar abrigos para levar animais resgatados. O pertencimento social é muito importante para iniciarmos um processo de transformação.

O Instituto 100% Animais tem abrigo de animais? Recolhe animais das ruas?

O Instituto 100% Animais não mantém abrigo de animais. Por isso, não recolhe animais das ruas. Infelizmente, as várias entidades que abrigam e protegem animais operam acima de sua capacidade, causando diversos problemas de desequilíbrio financeiro. O Instituto incentiva a profissionalização destas entidades,  potencializando suas atividades com o objetivo de ampliar os benefícios de bem estar aos animais, incentivando as adoções e conscientizando a população. Não recolhemos animais das ruas, pois a situação das entidades que apoiamos precisam ser primeiramente organizadas e equilibradas para podermos aumentar o número de atendimentos. Se você quiser venha fazer parte deste processo de organização e assim, em um futuro próximo poderemos tirar animais das ruas.

O Instituto 100% Animais pode verificar denúncias de maus tratos?

O Instituto 100% Animais pede para que cada cidadão, ao presenciar qualquer ocorrência ou emergência com animais que exija intervenção, tome o caso para si e aja pessoalmente de forma imediata. Muitas vezes, perde-se muito tempo na procura por ajuda ou no aguardo de que outros tomem providências. Ocorrências com animais normalmente são emergenciais. Incentivamos, ainda, que denúncias envolvendo abusos e/ou maus-tratos sejam encaminhadas diretamente à delegacia local. Em caso de flagrante de maus-tratos, acione a Polícia Militar pelo número 190. Tenha sempre em mãos as leis e faça sua denúncia.

O que faço se meu cão ou gato fugiu?

  1. Comunique o desaparecimento/fuga aos vizinhos;
  2. Informe o desaparecimento/fuga às clínicas veterinárias, petshops e bases comunitárias da Polícia Militar da região;
  3. Produza um cartaz com foto do animal, que possa ser afixado nestes estabelecimentos e em pontos de grande circulação (supermercados, padarias, cabelereiros, pontos de ônibus, etc.). O cartaz, além da foto, deve conter dia (e horário, se possível) do desaparecimento, local onde o animal foi visto pela última vez, indicações que permitam a identificação do animal (porte, raça definida ou não, sexo, pelagem, cor da coleira, guia, nome dele) e os seus dados de contato;
  4. Produza uma mensagem eletrônica (e-mail) com as mesmas informações e a envie para seus contatos que morem na região do desaparecimento;
  5. Avise as organizações de defesa animal locais sobre a fuga/desaparecimento, solicitando que repassem a mensagem sobre o desaparecimento;
  6. Divulgue esta mensagem nas redes sociais e peça para seus amigos e conhecidos compartilharem;
  7. Anuncie o desaparecimento em sites com seção destinada a isto.

     Reflita sobre as situações que permitiram ou provocaram a fuga ou desaparecimento de seu animal e busque soluções. O animal estava infeliz? Por quê? Portões de casa foram deixados abertos? O animal não foi castrado e fugiu para se reproduzir? Um dos motivos mais comuns para fugas são os fogos de artifício, os raios e os trovões. Os animais ficam, em geral, apavorados. Procure se certificar de estar perto do animal ou de que alguém que ele goste e confie esteja junto dele nesses momentos de estresse. Não adianta dizer a ele que é só um rojão: para ele, é guerra, é perigo e ele pode tentar fugir, aterrorizado. No caso dos fogos de artifício, prepare o animal para enfrentar períodos em que a queima dos fogos é mais frequente, como Natal, Ano Novo, Copa do Mundo, jogos de outros Campeonatos de Futebol, Festas de São João, etc.:

  • Procure orientação de um médico veterinário para obter prescrição de calmantes fitoterápicos e florais;
  • Se necessário, nestas ocasiões confine o animal em um cômodo seguro da casa;
  • Não prenda cães a correntes, porque eles podem se enforcar com as correntes por conta do pânico;
  • Se você tiver mais de um cão, reflita sobre a possibilidade de deixá-los separados um do outro, uma vez que, no momento das explosões, agitados por conta do barulho, os cães podem brigar entre si. 

Como faço para denunciar maus tratos com os animais?

Antes de qualquer atitude, certifique-se de que se trata de um caso de maus tratos (conheça as leis em vigor, abaixo). Colha evidências e testemunhos que comprovem a situação. Sempre que possível, procure conversar com o agressor, salientando que os animais são protegidos por leis. Aja de maneira educada, mas objetiva. Tenha em mente que a finalidade é o bem estar do animal. Se você presenciar alguma crueldade contra animais, não fique calado, denuncie. Para fazer isto você deverá comparecer à delegacia mais próxima do ocorrido e lavrar um Termo Circunstanciado, uma espécie de Boletim de Ocorrência (BO), citando o artigo 32 da Lei Federal de Crimes Ambientais 9.605/98: “Praticar ato de abuso e maus-tratos a animais domésticos ou domesticados, silvestres, nativos ou exóticos”. Caso haja recusa do delegado, cite o artigo 319 do Código Penal, que prevê crime de prevaricação: receber notícia de crime e recusar-se a dar prosseguimento.

Pela Constituição de 1998, os animais são tutelados pelo Estado, ao qual cabe a função de protegê-los. Os atos de abuso e de maus tratos configuram crime ambiental e devem ser comunicados à polícia, que registrará a ocorrência, instaurando inquérito.
A autoridade policial está obrigada a proceder a investigação de fatos que, em tese, configuram crime ambiental. Você também pode denunciar por telefone na Delegacia de Crimes Contra o Meio Ambiente (11) 3331-8969 / (11) 3337-5746.
Em caso de demora ou omissão, entre em contato com o Ministério Público Estadual pelo telefone: (11) 3119-9000. No Estado de São Paulo, você pode entrar em contato com a Procuradoria de Meio Ambiente e Minorias. Envie uma carta registrada, descrevendo a situação do animal, o distrito policial e o nome do delegado que o atendeu. Você pode enviar também um fax, ou falar com a Ouvidoria online: (http://www.mp.sp.gov.br/portal/page/portal/fale_conosco/faleconosco), ou ainda ir pessoalmente ao MP. Não é necessário estar acompanhado de advogado.
 
Por que vale a pena denunciar? É tão complicado fazer isso?
 
Você deve analisar se caso ninguém denuncie a pessoa que estiver cometendo o crime de maus tratos ficará impune e continuará mal tratando animais em qualquer momento. Quantos animais você pode ajudar a não sofrer? É mesmo sabendo que a legislação brasileira ainda é branda no tratamento desse tipo de crime, há consequências para quem for denunciado:

  • Se o agressor for indiciado, ele perderá a condição de réu primário e, nesse caso, ficará com a “ficha suja”;
  • O atestado de antecedentes criminais é documento obrigatório para ingressar em um emprego público, e muitas empresas privadas também o exigem. Isso significa que você está evitando que um criminoso seja admitido no setor público e em algumas empresas.

Encontrei um animal abandonado ou perdido o que devo fazer?

Normalmente o animal perdido ou abandonado está nervoso e sedento. Tente acalma-lo e ofereça água para criar uma relação de amizade. Depois siga os passos que sugerimos:

  1.  Verifique se o animal tem coleira e plaquinha de identificação, com endereço ou telefone. Verifique se há um número de registro. Alguns animais têm microchip, cuja leitura dos dados do proprietário é possível de identificar na Divisão ou Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) local ou em algumas clínicas veterinárias, mas no primeiro momento você não conseguirá identificar o microchip pois ele está subcutâneo;
  2. Se a animal estiver doente ou possuir ferimentos, leve-o a uma clínica veterinária imediatamente;
  3. Tente localizar o tutor, que pode estar aflito procurando o animal. Coloque cartazes em vários locais como pet shops, clínicas veterinárias, supermercados, entre outros estabelecimentos, e em sites na Internet, e anuncie nas mídias sociais como forma de divulgar que está com o animal;
  4. Se o tutor não aparecer, provavelmente este seja mais um caso de abandono. Se você tiver condições e quiser, poderá ficar com o animal, caso ele seja doméstico, caso seja um animal silvestre entre em contato com o IBAMA. Se você não puder ficar com o animal, inicie um processo de adoção dele por outra pessoa.  Nesse caso, forneça ou procure um lar transitório para o animal, onde ele possa ser cuidado, alimentado, e onde possa ficar abrigado a espera de um adotante
  5. Verifique se o animal foi castrado e vacine-o para garantir a saúde dele e de toda sua família;
  6. Depois disso você pode iniciar o processo de busca para encontrar um lar definitivo para seu novo amigo;
  7. Espalhe cartazes em vários estabelecimentos;
  8. Divulgue nas redes sociais e sites especializados informações do animal. Alguns sites abrem espaço para se achar os guardiões ou ainda para se buscar novos adotantes, se for o caso de um abandono. Conheça alguns sites que irão ajuda-lo neste processo:

     

    Cantinho Animal

    Procura se Cachorro

    Olhar Animal

    Web Animal

    Animais on Line

  9. Avalie muito bem os candidatos! Porque você é responsável em ajudar um animal a encontrar um lar cuidadoso, amoroso e responsável. O adotante em potencial deve ter condições financeiras adequadas para manutenção básica do animal (alimentação, higiene, vacinas, remédios, consultas veterinárias periódicas, etc.). E mais: todo animal necessita de carinho e de certa disponibilidade de tempo; portanto, verifique se o candidato tem condição de oferecer isso também. Procure entender o histórico do candidato com outros animais? se já teve outros antes? como e porque faleceram? se ficaram doentes e foram cuidados? e se há pessoas que possam cuidar do animal em períodos de férias ou ausência prolongada. E, se possível, leve o animal até a casa da pessoa, para se certificar de que o mesmo estará em boas mãos. É muito importante também verificar se todos os membros da família, que convivem na casa, estão de acordo com a adoção.
  10. Procure parceiros como ONGs que tem a Causa Animal como prioridade, uma vez que algumas delas podem ajudar na divulgação em suas páginas sobre este animal que está sob sua responsabilidade;
  11. Após você escolher o candidato para a adoção, é muito importante preencher um Termo de Responsabilidade de Adoção. Peça para o adotante assinar esse termo, ficando uma via com você e outra com o adotante.

Por que devo castrar cães e gatos?

Além de prevenir doenças, a esterilização (ou castração) garante o bem-estar dos animais e representa a única medida eficaz no controle de natalidade das populações de cães e gatos. Somente com a esterilização conseguiremos diminuir o número de animais abandonados, que sofrem e são sacrificados, pois a principal causa do abandono é o descontrole populacional. Uma cadela não esterilizada e seus descendentes podem gerar, em seis anos, 64.000 animais. E não existem lares responsáveis suficientes para todos!

A esterilização de cães e gatos, fêmeas e machos, é uma cirurgia que impedirá o crescimento desmedido. Ela deverá ser feita por médico veterinário experiente, e o animal deverá estar sob o efeito de anestesia geral. A esterilização do macho é mais fácil e mais rápida. E, para os machos, cães e gatos, existe também a opção da castração química. A esterilização das fêmeas – que consiste na retirada de útero e ovários – requer alguns dias de atenção após a cirurgia, até a completa cicatrização. Atualmente, muitos veterinários utilizam uma nova técnica para a esterilização das fêmeas - a técnica do gancho -, que é menos invasiva e na qual o corte é menor, tornando a cirurgia e a recuperação mais rápidas. Consulte seu veterinário ou faculdades de veterinária e entidades de proteção animal.

Para os machos
Um macho esterilizado deixa de fugir tentando ir atrás de fêmeas no cio, tem menos necessidade de marcar território com urina, porém continua guardião da casa e da família.

Para as fêmeas
Uma fêmea esterilizada deixa de atrair a legião de machos à sua porta, não tenta fugir para cruzar e não tem mais cio, ou seja, não menstrua mais. Além disso, ela não desenvolverá  piometra (infecção no útero) que atinge, em média, 60% das cadelas não esterilizadas, cujo tratamento inclui a esterilização. Esterilize seu animal (macho ou fêmea) antes da puberdade. Não é necessário aguardar o primeiro cio de sua cadela ou gata para esterilizar. As vantagens da esterilização ser feita antes da puberdade, a partir de dois meses de idade, são:

  1. Saúde: cadelas e gatas esterilizadas antes da puberdade reduzem em mais de 90% as chances de terem câncer de mama;
  2. Conforto e bem-estar: a recuperação pós-cirurgia é mais rápida.

Injeção Anticoncepcional
Não aplique injeção anticoncepcional (hormônio) em fêmeas: ela é controversa. Se você o fizer, estará prejudicando a cadela, talvez a condenando a uma morte sofrida e precoce. O único método de controle populacional indicado pela Organização Mundial da Saúde é a esterilização cirúrgica de fêmeas e machos caninos ou felinos. Hoje, existe também a esterilização química de machos felinos e caninos, que são diferentes das injeções de hormônio, pois as últimas prejudicam as fêmeas e podem provocar a piometra (infecção do útero), cujo tratamento inclui a urgente esterilização (do contrário, o animal pode vir a óbito por septicemia). Há, ainda, o perigo de os guardiões daquele animal não perceberem a tempo os sintomas da piometra, que podem ser inapetência e corrimento de secreção amarelada pela vagina.

Castração gratuita
Verifique, também, se a Prefeitura de sua cidade realiza o procedimento de castração gratuitamente, através dos Centros de Controle de Zoonoses ou de grupos de defesa animal cadastrados. Na cidade de São Paulo, cada pessoa com o número de CPF registrado pode castrar 10 animais por mês. Conheça melhor as atividades dos hospitais veterinários que atendem gratuitamente nos endereços abaixo:

Rua Professor Carlos Zagotis, 3 - Tatuapé - São Paulo - SP
Avenida Ataliba Leonel, 3.194 - Tucuruvi - São Paulo - SP

Quais são os cuidados básicos que devo ter com o meu cão?

Alimentação:

  • Em caso de troca da ração, retire gradualmente a ração que o animal está acostumado a comer misturando-a com a ração nova. Em caso de troca radical da ração, o animal poderá ter uma gastroenterite severa, tendo que obter acompanhamento de veterinário;
  •  usar ração de qualidade superior para cães de pequeno porte até 12 meses de vida, e para cães de grande porte até 18 meses de vida. Oferecer 3 vezes ao dia a quantidade correta de ração, conforme orientação do fabricante descrita na embalagem;
  • Após essa idade, usar ração de boa qualidade indicada para cães adultos. Para cães acima de sete anos de idade, alimente-o com ração sênior. Ofereça ao cão duas vezes por dia a quantidade adequada de ração, conforme a orientação do fabricante descrita na embalagem;
  • Use comedouro de resina e/ou inox, e o lave com frequência;
  • Mantenha disponível água fresca mineral ou filtrada à vontade. Troque a água todos os dias. Mantenha o bebedouro e o comedouro sem contato com a luz solar e longe do local em que seu animal defeca e urina;

Higiene:

  • Banhos com xampu neutro para cães. Animais de pêlo longo banhos a cada sete dias, e animais de pêlo curto banhos a cada quinze dias;
  • Escovação dentária: de duas a três vezes por semana;
  • Limpeza dos condutos auditivos, realizar limpeza a cada sete dias;
  • Cama ou casinha para dormir, sempre limpa e seca, e a instale num local protegido da chuva e de calor forte. Evitar casinhas de madeira, as quais contribuem para infestações de pulga.

Controle de ectoparasitas:

  • Aplicação de anti-pulgas a cada trinta dias, conforme orientação do fabricante do produto;
  • No ambiente, passar um pano com desinfetante em todo o ambiente;
  • Em caso de infestações intensas de ectoparasitas no ambiente, é necessária a dedetização.

Recomendações gerais:

  • Corte esporádico das unhas (quando necessário);
  • Não passeie com o animal no horário das 10h às 16h, quando o asfalto está muito quente, e quando o animal corre o risco de sofrer insolação;
  • Imunização com vacina múltipla e antirrábica anual e com vermifugação semestral;
  • Não medique o animal por conta própria, uma vez que nem todos os medicamentos são corretos para cães e eles correm o risco de sofrerem intoxicação;
  • Em caso do animal apresentar apatia, emagrecimento, diarréia, vômitos e quaisquer outros sintomas anormais, leve-o ao médico veterinário.

 

Quais são os cuidados básicos que devo ter com o meu gato?

Alimentação:

  • A alimentação mais apropriada para o seu gato são os alimentos comerciais enlatados. Gorduras e molhos são prejudiciais à sua saúde. A ração pode ser oferecida à vontade;
  • Deixe sempre água à disposição;

Higiene:

  • O pêlo deve estar sempre liso e brilhante. A escovação deve ser realizada regularmente para remover os pêlos mortos, evitando que o gato os engula e impedindo, assim, a formação das bolas de pêlo no estômago. Tenha em casa laxante para dar ao gatinho quando bolas de pêlo se misturarem às fezes e causarem mal-estar ao gato;
  • O banho deve ser dado com água morna, sabão de coco medicinal e xampu neutro. O banho pode ser dado a partir dos quarenta e cinco dias de vida. Depois do banho, convém secá-lo muito bem, se possível com um secador. Se o gato mora em apartamento, o banho pode ser trimestral; se ele sai para a rua, os banhos podem ser mais frequentes;
  • Os olhos devem estar brilhantes e livres de corrimentos. A sua limpeza deve ser diária com uma solução oftalmológica adequada;
  • Os ouvidos devem estar sempre limpos. Não deve utilizar cotonetes, álcool ou água oxigenada, mas sim produtos de limpeza próprios que se colocam no canal auditivo, retirando o seu excesso com uma compressa de gaze. A frequência das limpezas deve ser semanal;
  • A escovação dos dentes pode ser feita de duas a três vezes por semana;
  • O corte de unhas pode ser importante para evitar estragos na mobília lá de casa. O ideal é começar a habituá-lo desde cedo;
  • A vacinação deve ser realizada logo a partir das oito semanas de vida para evitar as doenças infectocontagiosas (Rinotraqueíte Infecciosa Felina, Panleucopénia, Calicivirose, Leucemia e Raiva). O reforço das vacinas é anual;
  • Vermifugue o gatinho duas vezes por ano.