Rodeios

Os rodeios tem origem nos Estados Unidos, quando colonos americanos incorporaram a sua cultura alguns costumes espanhóis que eram praticados pelos mexicanos. Os Estados Unidos venceram a guerra que travavam contra o México na expansão de seu território, que ocorreu entre 1846 e 1848. O México perdeu metade de seu território e os Estados Unidos ampliaram suas terras em cerca de um quarto e absorveram alguns costumes mexicanos, entre eles a doma de animais. A maneira diferenciada de domar cavalos e bois, deu origem a torneios diferenciados chamados de rodeios. Os campeonatos nacionais americanos iniciaram em 1869, e o objetivo desta competição deste sua origem é permanecer o maior tempo possível em cima do animal, para dificultar a permanência do peão são utilizadas cintas de couros apertando a genitália do animal e outros artifícios cruéis. De lá para cá, muita coisa mudou e o local que foi o berço dos rodeios já proibiu a sua prática, pela crueldade que os animais sofrem nestes campeonatos.

No Brasil, os rodeios estão cada vez mais entre as preferências das festividades do interior de São Paulo. Em Barretos acontece todos os anos no mês de agosto, coincidindo com o aniversário da cidade, a Festa do Peão Boiadeiro, que teve sua primeira edição no ano de 1956. Em 2014, mais de 900 mil pessoas visitaram o evento. Muitas provas acontecem nestes eventos, onde os bois e cavalos sofrem maus-tratos e são utilizados para entreter a população. A prova considerada mais cruel entre todas é a prova de laço, onde dois peões tentam laçar um bezerro de 60 quilos pelo pescoço e pela traseira e cada um puxa de um lado. Se o animal não morrer, ele sofre contusões e fraturas por todo o corpo. A platéia vibra com essa prova. Sem ao menos, imaginar a dor que é infringida ao animal. É incrível como o ser humano consegue se divertir sem considerar o sofrimento alheio.

Em outras provas não menos dolorosas, o boi tem sua genitália amarrada com uma cinta de couro para deixa-lo mais agressivo. O peão utiliza esporras pontiagudas e cortantes que machucam o animal, e muitas vezes podem cega-lo. Choques elétricos são aplicados ao animal para deixa-lo assustado e nervoso. Essas são algumas práticas de maus-tratos que precedem os rodeios. Várias cidades brasileiras, através de pressão da opinião pública já conseguiram a proibição deste eventos, mas em outras cidades, esses ações continuam acontecendo e infringido dor  desnecessária aos animais. A conscientização da população é a maior ferramenta para acabarmos com espetáculos de dor aos quais os animais são submetidos.